Skip to content

Um Homem De Sorte Livro Critical Thinking

Sinopse

Logan é um jovem que esteve no Iraque com as forças dos Estados Unidos. Em um dia de treinamento ele encontra, no meio do deserto, uma foto de uma garota loira e linda. De início ele coloca aquela foto no mural para que o dono a encontre novamente. Mas passa algum tempo e ninguém a tira de lá, então, ele resolve tira-la de lá e guarda-la com ele. Após sobreviver a vários atentados e bombas e após vários jogos ganhos, Victor, seu amigo e também fuzileiro, tenta convencê-lo de que essa sorte sem tamanho tem vindo daquela foto. Ele era um homem de sorte graças àquela garota, graças àquela foto. Após cinco anos, seguindo o conselho de Victor, ele resolve sair em busca da garota da foto. Ele devia um obrigado a ela. Afinal, graças àquela foto, ele estava vivo até aquele dia. Porém a única pista que ele tinha era uma dedicatória atrás da foto com a inicial 'E.'. Após várias procuras na própria foto Logan consegue imaginar onde 'E.' estaria. E foi então que ele resolveu rodar os Estados Unidos inteiro à pé com seu fiel amigo Zeus, um pastor alemão.

Um Homem de Sorte é um romance de Nicholas Sparks, lançado em 2011. As 349 páginas são escritas de uma forma tão leve, que é possível ler o livro em um único dia. Parece que você está assistindo a um filme.

Quando Logan Thibault chega em Hampton e começa a trabalhar no canil gerenciado por Elizabeth Green e sua avó Nana, ele tinha consigo uma mochila com um saco de dormir e a companhia de seu pastor alemão bem treinado, Zeus. O rapaz saiu do Colorado e começou uma longa caminhada em direção a Hampton, que já durava cinco meses, andando cerca de 30km por dia, com um objetivo sólido: encontrar “E.”, a mulher da fotografia que ele achou quando esteve no Iraque, servindo seu país.

A fotografia servia, nas palavras do seu melhor amigo Victor, como um amuleto de sorte, e Logan precisava agradecer a ela, mesmo que não soubesse como. Ele não sabia se acreditava no poder da fotografia, mas soldados de guerra podem se apegar a essas coisas em tempos tão ruins. Fato é que Logan nunca sofreu nenhum ferimento grave na guerra, e retornou ao seu país depois de cinco anos, com honras do Exército. Não é como se Logan tivesse se apaixonado pela mulher da foto. Ele apenas se sentia em débito com ela.

No fim de uma de suas corridas, quando já avistava as tendas, começou a diminuir o ritmo. Nessa hora, o sol já começava a nascer no horizonte, espalhando seus raios dourados pela paisagem árida. Recuperava o fôlego com as mãos na cintura, quando viu o brilho pálido de uma fotografia, meio enterrada na areia. Parou para pegá-la e percebeu que a plastificação era barata, mas bem feita, provavelmente para protegê-la das intempéries. Tirou o pó para ver a imagem com mais nitidez e foi então que a viu pela primeira vez.

Elizabeth Green é divorciada, mãe de um menino de 10 anos chamado Ben, fruto de um relacionamento fracassado com seu ex-marido Keith Clayton, um policial cuja família é extremamente poderosa na cidade. Preguiçoso, machista e manipulador, Keith não esconde a frustração com o próprio filho, que é introvertido e prefere jogos de xadrez e livros a esportes e “outras atividades de homem”, além de controlar a vida da sua ex-mulher de longe.

Quando Elizabeth e Logan começam a se conhecer melhor, uma paixão surge, embora nenhum dos dois saiba como lidar com isso. Elizabeth se relacionou com poucos homens depois do seu ex-marido, e Logan não era o tipo namorador, nem no colégio, muito menos no Iraque. Beth não faz ideia da foto que Logan carrega, e ele a mantém em segredo. Não entendia por qual motivo ele estava ali, mas estava – fosse para ter uma vida feliz ao lado de Beth, fosse para protegê-la do ex-marido, Logan agora estava na cidade, e estava apaixonado pela mulher que salvara sua vida tantas vezes.

Logan era diferente de qualquer outro homem que havia encontrado. Não tinha a menor idéia do que ele queria com ela. Sabia que a achava atraente, e parecia gostar de sua companhia. Mas, além disso, não sabia quais eram as suas intenções, já que parecia gostar igualmente da companhia de Ben.

Nicholas Sparks investe em detalhes que colaboram para que o leitor forme uma imagem na sua mente, e assista a uma bonita história enquanto lê. Além disso, gosto de livros que separam os capítulos por personagens, contando a história sob o ponto de vista de cada um.

Como todo romance, há conflitos, mas os acontecimentos que levam ao confronto final da história demoram muito a chegar. Quando chegam, você já está lendo as últimas 15 páginas. Mesmo com a sensação de pressa que paira nos últimos capítulos, o desenrolar da trama é gostoso, e a gente acaba se satisfazendo com a história.

Victor gostava de falar sobre o destino. Acreditava piamente em coisas dessse tipo e, no nosso último dia juntos, disse que eu saberia qual seria meu destino queando o encontrasse. Não conseguia tirar esse pensamento da cabeça, por mais que tentasse. Não parava de ouvi-lo dizer isso e, aos poucos, comecei a perceber que não tinha certeza de onde encontrá-lo. Sabia que não estava no Colorado. Finalmente, coloquei a mochila nas costas e comecei a andar. (…) E quando cheguei a Hampton, sabia que não precisava mais continuar.

O autor se mostrou um romântico de primeira. Em diversas passagens do livro, me peguei sorrindo pela delicadeza dos diálogos, o romantismo em cada atitude. E ele faz isso sem ser piegas.

Nicholas Sparks é um autor famoso que vive constantemente na lista dos livros mais lidos do New York Times e tem diversas adaptações de suas histórias no cinema, como Um Amor para Recordar, Diário de uma Paixão (que já indicamos como um filme para uma festa do pijama) e o próprio Um Homem de Sorte.

Ficha Técnica

Título: Um Homem de Sorte (The Lucky One)
Autor: Nicholas Sparks
Ano: 2011
Páginas: 349
Editora: Novo Conceito